I Hate Flash

quote

Logo_huge

Drunk shots from drunk people. Um dos slogans do site (aquele que fica mudando a cada vez que você aperta F5, sabe?), que conta um pouco mais que o óbvio: uma metáfora simples para falar sobre o que veio a se tornar um tipo de fotojornalismo documental, autoral e extremamente - propositalmente - parcial.

Fotografamos a cena a qual pertencemos / frequentamos, registrando moda e comportamento da forma mais espontânea possível: fotografando tudo o que nos chama a atenção, capturando o clima do ponto de vista do público, efetivamente fazendo parte do evento, seja ele qual for. Estando bêbados fotografando os bêbados, cantando as músicas fotografando shows, dançando fora do ritmo fotografando DJs, apreciando obras fotografando uma exposição, tomando caldo fotografando um ensaio na praia, enfim: Pertencendo.

O projeto começou a tomar forma quando criamos um FlickR com esse nome para colocarmos então fotos de nossos amigos, que bem... passaram a odiar flash. Levávamos nossas câmeras para bares, reuniões, festas ou qualquer lugar que inventássemos de sair, para registrar o momento, guardar alguma lembrança - muitas vezes a única, alcoolicamente falando.

A diferença entre nós e o restante do público era o fato de sermos fotógrafos, e isso fazia nossas fotos bêbadas ficarem um pouco melhores do que as fotos bêbadas de outros bêbados. O título foi tão espontâneo quanto o estilo, e a partir do momento em que se dá um nome, fodeu: nasceu.

A partir dos primeiros posts, aquilo parou de se restringir aos amigos e amigos-de-amigos, e logo mais promoters, D.J.s, produtores culturais, veículos de imprensa, marcas e agências começaram a se interessar e a nos procurar afim de ter nosso ponto de vista para seus eventos, ensaios ou acontecimentos que fossem. O que no começo fazíamos apenas por diversão tomou proporções bem maiores, surgindo a demanda para nossos odiados flashes não mais só aos fins de semana, mas todos os dias - ou tardes, noites, madrugadas -, reincidentemente.

Foi quando resolvemos fazer aquilo de maneira mais profissional, migrando do que até então ainda era um FlickR de um único fotógrafo, para uma empresa, um coletivo de amigos fotógrafos. A partir daí vieram diversas conquistas, como viagens pelo mundo, fotografando moda de rua, festas, passeatas, feiras e shows em cinco continentes, até mesmo a cobertura de alguns dos maiores e mais importantes festivais de música do mundo e tendo trabalhos publicados em diversas matérias e capas de periódicos mundo afora. Sem nunca deixar de lado a premissa: registrar moda e comportamento dentro da cena a qual pertencemos.